19 3491-3000 contato@jcrnet.com.br Rua Bento Dias, 275, Centro, Capivari
Porque devemos investir em ações no Brasil?

Porque devemos investir em ações no Brasil?

Já seria suficiente eu dizer que o Ibovespa subiu 15% em 2018 e o otimismo para 2019 permanece ainda maior, pois com as possíveis realizações de reformas estruturais, a recuperação econômica e a queda de juros e da inflação, investir em ações no Brasil se torna cada vez mais favorável. O desempenho da bolsa brasileira cresceu em 2018, alcançando o melhor desempenho entre os principais índices de ações do mundo. Enquanto isso, mercados na China, EUA e Europa desvalorizaram. Este foi o terceiro ano consecutivo de alta. Em 2017, acumulou ganho de 26,86% e, em 2016, registrou 38,93%, depois de perder 13,31% em 2015.

A Bolsa sempre busca antecipar os movimentos da economia. A alta de 2018 reflete os sinais de recuperação da economia brasileira e foi puxada pelo avanço das ações da Petrobras e dos bancos Itaú e Bradesco. Se você pensa em investir em ações no Brasil este ano, o otimismo permanece. Muito disso se deve à expectativa de aprovação da reforma da Previdência apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Se entre novembro e dezembro o índice da B3 voltou a renovar sua máxima histórica e chegou perto dos 90 mil pontos, ao longo de janeiro chegou aos 96 mil pontos. Essa foi a primeira vez que o índice de referência do mercado acionário brasileiro supera os 96 mil pontos!

Cenário interno favorável – Após dois anos consecutivos de retração, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1%. Há, inclusive, uma projeção de crescimento de 2,57% para o final de 2019. Durante o período de crise, as empresas reduziram os custos e investimentos. Com a melhora da economia, elas estão preparadas para voltar a crescer, e isso reflete na Bolsa. Outro fator que contribuiu para puxar o Ibovespa para cima, foi a redução da taxa básica de juros. A taxa Selic terminou o ano em 6,5% ao ano, sua menor taxa histórica. A previsão é que a taxa de juros suba um pouco em 2019, para cerca de 7%. Mas ainda assim, é uma taxa baixa. O juro baixo diminui o custo de captação de recursos, o que ajuda ainda mais para melhorar a rentabilidade das empresas. Somado a isso, o mercado financeiro vive na expectativa da aprovação da aguardada reforma da Previdência no Brasil, bem como a privatização de algumas estatais, prometida durante a campanha eleitoral do presidente eleito.

Cenário externo – Não somente o cenário interno favorável que refletiu no desempenho da B3. A alta foi influenciada também pelo cenário externo, que se mostra complicado. O Brasil segui o fluxo contrário dos outros países nos últimos anos. Enquanto as bolsas dos países estrangeiros subiam, o Brasil estava se recuperando das perdas acumuladas durante os anos de crise. Agora a situação mudou e investir em ações no Brasil se mostra ainda mais vantajoso. As bolsas americanas, por exemplo, estão com um desempenho bem abaixo dos anos anteriores. O aumento modesto se explica com o aumento das taxas de juros no país e com a insegurança do investidor devido à guerra comercial dos Estados Unidos com a China.

Se quiser saber mais sobre como investir em ações, basta me contatar no e-mail: bruno@remoinvestimentos.com. Nosso escritório Remo Investimentos ligado à XP Investimentos (a maior corretora da América Latina) tem como objetivo informar e educar o investidor, além de oferecer assessoria financeira, desde a montagem da sua carteira ao acompanhamento da rentabilidade dos seus investimentos.

Bruno Rossi Alves, Graduado em Administração e Finanças pela ESAMC, CO-FOUNDER do Grupo Cenário Capital, 16 anos de experiência no mercado segurador e especialista em Previdência Privada, Sócio na Remo Investimentos, escritório credenciado a XP Investimento em São Paulo. bruno@remoinvestimentos.com / (19) 99183-9794

Fechar Menu