19 3491-3000 contato@jcrnet.com.br Rua Bento Dias, 275, Centro, Capivari
Com energia do sol, conta de luz de engenheiro cai de R$ 310 para R$ 35 por mês

Com energia do sol, conta de luz de engenheiro cai de R$ 310 para R$ 35 por mês

Humberto Jantim Neto instalou 10 painéis fotovoltaicos no telhado de casa, que geram em média 450 kWh mensais

 

O engenheiro de Sorocaba, Humberto Jantim Neto, é um consumidor que produz a própria energia elétrica no telhado de casa, em Piedade, no interior de São Paulo. Essa autoprodução vem da transformação da energia solar em energia elétrica por meio das placas fotovoltaicas e dispositivos que adequam a corrente elétrica no mesmo padrão da energia convencional fornecida pela companhia de energia.

A miniusina do engenheiro é composta por dez painéis solares (fotovoltaicos) que são capazes de gerar uma média mensal de 450 kWh.

“Antes de adotar o sistema, a conta de luz apresentava uma fatura de R$ 310 por mês. Após a montagem das placas sobre o telhado, meu gasto mensal caiu para R$ 35, uma expressiva economia”, disse.

 

Ele explica que o mecanismo é simples: quando há luz solar, as células fotovoltaicas presentes nas placas são estimuladas e há geração de corrente elétrica que, ao passar por um dispositivo denominado inversor, é padronizado para o consumo em qualquer eletrodoméstico, como televisão, chuveiro, geladeira, e todo sistema de iluminação da casa.

“Quando ocorre a geração solar fotovoltaica, parte da energia é consumida imediatamente na casa, ou seja, é realizado o autoconsumo imediato. A outra parte não consumida naquele momento é injetada na rede de distribuição da companhia de energia”, acrescenta.

 

Dessa forma, durante a noite, quando o sistema está inoperante, a residência “captura” de volta essa energia que sobrou durante o dia. “É um mecanismo de compensação. Todo fluxo energético, injetado e consumido é registrado na conta de luz”, explica. Segundo Jantim Neto, o sistema tem durabilidade aproximada de 30 anos, mas se paga em quatro. O projeto foi instalado em agosto de 2016, a um custo de R$ 15 mil.

O engenheiro compartilha a energia que gera no telhado de sua casa com a oficina do pai, que fica ao lado. “Ele fica com 170 kwh e também economiza.” De acordo com Jantim Neto, que também presta consultoria na área, a energia fotovoltaica já tem 50 mil sistemas em geração no Brasil.

Ele acredita que os consumidores estão se encorajando a investir em autoprodução porque as tarifas da energia elétrica estão mais altas.

“Temos tido revisões tarifárias anuais da ordem de 18% a 23% nas concessionárias. Sem contar a implicação das bandeiras tarifárias que também influenciam. Se chove menos, os reservatórios das hidrelétricas operam em baixa e há a ligação das termoelétricas, o que eleva o custo. As pessoas sentem o impacto no bolso e buscam alternativas”, explica.

 

Em janeiro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) começou a rever uma regra que concede subsídio para consumidores que instalam painéis solares (fotovoltaicos) em suas casas. Criada em 2012 para incentivar a geração distribuída, ela confere redução de 80% a 90% nas contas de luz desses usuários.

Confira como funcionada todo o sistema de produção de energia solar:

Fechar Menu